PUBLICAÇÕES RECENTES

Disputa porta a porta

20 de julho de 2012





Sirino e Irmão Fernando visitam moradores da Vila Marcony
No fim da tarde desta sexta-feira (20), moradores da Vila Marcony, na periferia de Santa Inês, puderam conhecer de perto dois dos três homens que disputam o cargo de prefeito deste município nas eleições deste ano. Isso praticamente ao mesmo tempo. Nono e Sirino, ambos acompanhados dos respectivos candidatos a vice, Sousa Neto e Irmão Fernando (além de candidatos a vereador e simpatizantes de campanha) batiam de porta em porta e apresentavam-se aos moradores do bairro.

Muito prazer, sou candidato!

Os dois precisam mesmo correr contra o tempo. É comum ouvir de moradores a frase: "Eu vou votar em (Nono ou Sirino) mas, nunca vi ele de perto" ou mesmo a interrogação: "Eu nem sei quem é (Sirino ou Nono) como é que vou votar nele?". Neste quesito, ponto para o terceiro homem que não esteve presente nesta sexta-feira na Vila Marcony. Ribamar Alves já participou de outras campanhas e, portanto, é muito conhecido na cidade. O que não quer dizer que o deputado não precise visitar as comunidades.

Voltando aos dois ex-aliados, as visitas desta sexta-feira mostram que a disputa já está acirradíssima.

Nono e Sirino só não se cruzaram na caminhada pela Vila porque evitaram o encontro. Em alguns momentos estavam em ruas paralelas e em outros, perpendiculares. Pessoas saíam da movimentação de um e iam para o grupo do outro. Queriam ver os dois; falar e ouvir os dois.

Inauguração

Neste sábado (21), a partir das 17h, o diretório municipal do PMDB de Santa Inês e partidos aliados inauguram comitê eleitoral. O prédio está localizado na rua Governador Sarney, 95, no centro da cidade.


20 comentários

  1. Irmão Fernando? E ela agora é irmão? Antes da eleição ele bebia e brincava... era comerciante e até saia na noite! Ê siô... o homi mudou da água pro vinho. rsrssr

    ResponderExcluir
  2. Fernando do Ipiranga... comerciante de seco e molhado, não conheci ele crente não. Ele é socio do Antoin do posto do Cabral. Valei que agora mudaro até di nome!

    ResponderExcluir
  3. Sirino até que é conhecido por uma boa parte da classe B e C...Agora o Nonagésimo,esse ninguém conhece mesmo,só a classe A.Queria muito ver isso,ele e a sua oficial batendo de porta em porta,no sol quente.O que dinheiro não faz?!!! kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  4. E como as coisas mudam rápido né? Porque não fizeram isso antes,porque não são pessoas presentes nas comunidades o tempo todo?! Somente agora?! Eu quero é que venham em minha casa,porta na cara não vai faltar. Quer dizer que agora lembra-se que existe Vila Adelaide Cabral,Vila Marcony...Ah! pelo amor de Deus,a cara de pau é demais!!!! Os dois acostumados no bem bom,agora descem dos seus "andores" e vão até a ralé!!!! Agora eles precisam!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. muitos serviços iniciados. nos bairros feira quase no meio da rua asfalto em algumas ruas...mais raiva para o eleitor q foi um descaso a quase 8 anos. assim querem fazerem lavagem celebral no povo.povo hulmide se santa ines não se alegre com tão pouco e mude por seus dereitos. Agora todos bonzinhos! depois vcs não reclama o descaso que vcs são tratados na saúde. nem um lençol vcs tem dereito. os ar condecionados que botaram no Tomáz Martins vcs não tem dereito. e pode fazer reforma no hospital alugado e com doentes. de UTI AS enfermeiras estão locas... se amordaça cachorro! seres humano tem dereito de gritar se tá morrendo de dor! ehta essa de botar esparadapo na boca de um velho é cruel pra ele não gritar... Uma senhora que estava internada ao lado... viu tudo! enfermeira bruta. Vc é mal orientada. seu lugar é,em outro lugar. Aconteceu com um velho, que morreu! Meu Deus, se fosse meu pai... eu te enssinaria como fecha a boca de alguem indefeso no leito de um hospital...não tem opção; todos tem que serem apresionado lá.... fecham os hospitais pra esxistir um só matadorrr. muda povo!!!! pois a vitima pode ser vc.

    ResponderExcluir
  6. tomara que levem as centrais de ar das emfermarias do hospital que por enquanto só de enfeite. Os pobre é escriminado alem de humilhados. o convite tá feito kkkkkkk foi comprado com o dinheiro...Será? que pode construir ou reformar como povo doente dentro. só aqui se ver isso. Muda povo! Quem muito se Abaixa Só ver! RESTOS RASTEIJANTES. A HORA DA MUDANÇA É ESSA. DEPOIS TOMAAAAAAAAAAAAAA!!!VC FOI AVISADO. MUDE. NÃO SE RASTEIJE.

    ResponderExcluir
  7. SANTA INES CADA VEZ PIOR!!MUDANÇAAAAAAAAAAAAAAAAA JÁAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

    ResponderExcluir
  8. PMDB é partido 'campeão' em acusações criminais

    Mato Grosso é o estado com maior número de políticos processados
    A relação das quase duas centenas de parlamentares que respondem a ações que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF), como mostra levantamento publicado na edição número 3 da Revista Congresso em Foco, que chega às bancas nesta semana, é democrática: reúne desde políticos sem grande expressão, do chamado “baixo clero”, até ocupantes de funções de destaque no Congresso. São 13 presidentes de comissões permanentes, nove líderes partidários, sete titulares ou suplentes da Mesa Diretora, oito membros da CPI do Cachoeira e 20 integrantes do Conselho de Ética da Câmara e do Senado, além de uma infinidade de ex-governadores e ex-prefeitos. Da bancada maranhense no Congresso, nenhum senador responde a processos, mas dois deputados federais – Cleber Verde (PRB) e Zé Vieira (PR) – são processados. Cleber Verde responde à Ação Penal 497 (inserção de dados falsos em sistema de informações), e Zé Vieira ao Inquérito 2943 (crimes previstos na legislação extravagante).

    Em quatro estados, mais da metade da bancada federal responde a acusações no STF: Mato Grosso, Alagoas, Amazonas e Rondônia. O caso mais crítico é de Mato Grosso, que tem oito de seus 11 representantes no Congresso (73%) às voltas com denúncias criminais.

    Só cinco dos 22 partidos com assento no Parlamento federal não possuem representantes acusados criminalmente, mas são bancadas pouco expressivas do ponto de vista numérico. A maior delas é a do PSOL, que tem três deputados e um senador.

    Proporcionalmente, os partidos mais encrencados são, em ordem decrescente, o PRB, o PP, o PMDB, o PSC e o PR. Varia entre 50 e 40% o percentual de parlamentares desses partidos que estão sob investigação.

    Isso para não falarmos dos nanicos PMN e PRP, que atingiram 100%. Têm um só deputado cada, e ambos respondem a denúncias no STF. Em números absolutos, o PMDB mantém confortável liderança, seguido por PP, PT, PSDB e PSD.

    ResponderExcluir
  9. o NONO é de qual partido? coincidência?

    ResponderExcluir
  10. Falta de tudo aqui mais nessa eleição tem que pedir apoio da força nacional p/ combater compra de votos, quadrilha narcotraficos e agiotagem vão entrar em ação!!

    ResponderExcluir
  11. O Asfalto que está sendo aplicado nas ruas não é mais que obrigação da prefeitura e não compromisso com o povo. bla blá desseram que o metro de asfalto custa tanto e sub faturado dobra? os antigos vereadores sabem desso! o povo ainda dúvida qta inocencia...É POR ISSO QUE SE ARROTA NO ESTADO UNIDOS SE QUISER? POIS O DINHEIRO DÁ PRA IR ALMOÇAR LÁ TODOS OS DIAS. EITHA OSSO BOM ESSA PREFEITURA.TEM COISASSSS RSRSRS VI UM DEPOSITO ANTIGO VIRAR GALPÃO NÃO ERA CASA DO PAPEL!! NA BR 316 QUE SUMIU COM O F! DONO RS. O POVO ESQUECE AINDA ACEITA OS VIDIOS DE ANUNCIO KD????? OS MILHOES DE MERCADORIAS FOI DESTREBUIDOS ONDE? TÁ O ANUNCIO UM GALPÃO! COM PRACINHA PRA ALUGAR!!!CAPACIDADE DE TUDO!!! TUDO? kaka POVO ESQUECIDO!!!QUEM É O DONO!!! OS LARANJAS SABEMOS...

    ResponderExcluir
  12. Pedido de deputado do PMDB envolve Fernando Sarney

    Publicado em 20 de julho de 2012 por johncutrim
    Deputado João Magalhães (PMDB-MG) pede quebra de sigilo bancário da construtora EIT, associada da Delta e envolvida com Fernando Sarney

    O deputado federal João Magalhães apresentou nesta quinta-feira (19), requerimento pela quebra dos sigilos telefônico, fiscal e eletrônico da empreiteira EIT-Empresa Industrial Técnica S.A. A companhia é dona de contratos milionários nas obras de construção da ferrovia Norte-Sul, contratada pela Valec. Em 2008 a EIT figurou no centro da Operação Boi Barrica, articulada com Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney. Para parlamentares surgiu a ligação entre os dois mais rentáveis esquemas de corrupção e uso da máquina pública que se têm notícia nos últimos tempos no Brasil.



    Destas obras, o ex-presidente da Valec João Francisco das Neves, o Juquinha, teria desviado mais de R$ 100 milhões, segundo investigações da Polícia Federal. A EIT tem diversas associações com a Delta Engenharia, a empreiteira que aparece nas investigações da Operação Monte Carlo, que apura a existência de uma organização criminosa liderada pelo contraventor Carlinhos Cachoeira. O deputado Magalhães suspeita que possa haver comunicação entre eventuais esquemas ilegais em torno da arrecadação da EIT e da Delta.

    ResponderExcluir
  13. Caso o requerimento de quebra de sigilo seja aceito, não será a primeira vez que a EIT se envolve em problemas. Em 2008, a empresa figurou no centro da Operação Boi Barrica da PF como tendo praticado “irregularidades múltiplas” na execução de obras da ferrovia Norte-Sul. O deputado Magalhães também estuda requerer a quebra de sigilos da empreiteira Constran, do empresário Ricardo Pessoa. Auditoria do TCU descobriu que EIT se qualificou para tocar a obra de substituição da tubulação com documentação irregular.

    A empresa EIT, investigada pela Polícia Federal em 2008, na operação “Boi Barrica” (rebatizada “Faktor”), pode atrasar a obra de substituição da tubulação de um trecho de 20 quilômetros (Campo de Perizes) do Sistema Italuís, que abastece com água potável perto de 450 mil pessoas da região da Grande Ilha (São Luís, São José de Ribamar, Raposa e Paço do Lumiar). Devido à corrosão, a tubulação tem sofrido constantes rompimentos.

    Uma auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU), realizada entre os dias 13 de fevereiro e 23 de março deste ano descrito no relatório, datado de 18/04/2012, constatou que a EIT, que integra o consórcio vencedor da licitação para tocar a obra com o nome de EIT Construções S/A (CNPJ 13.424.192/0001-05), apresentou atestados de capacidade técnica em nome da EIT Empresa Industrial Técnica S/A (CNPJ 08.402.620/0001-69). Os auditores do TCU também descobriram que EIT Construções S/A foi criada em 23 de março de 2011, apenas três meses antes da abertura da primeira fase da concorrência. As outras empresas que compõem o consórcio vencedor da licitação são Edeconsil Construções e Locações Ltda e PB Construções Ltda.

    De acordo com o que concluíram os auditores do TCU, “foi indevida a aceitação pela Comissão Central Permanente de Licitação do Maranhão (CCL/MA) da documentação de qualificação técnica” da EIT. Os cinco integrantes da CCL que aprovaram a documentação da EIT Empresa Industrial Técnica S/A em lugar da EIT Construções S/A são apontados como responsáveis pela ocorrência da irregularidade, e é sugerido no relatório da auditoria que sejam ouvidos. Também é sugerida pelos auditores do TCU que a Caema “não emita ordem de início dos serviços ou, caso já o tenha feito, suspenda a execução dos serviços relativos ao contrato firmado, até que o TCU delibere sobre o mérito dos autos”.

    ResponderExcluir
  14. A influência de Sarney, o “velhinho”, na ferrovia da corrupção
    Claudio Dantas Sequeira, Isto É


    INFLUÊNCIA
    De acordo com delegado ouvido por ISTOÉ, o senador José Sarney
    e o deputado Costa Neto dividiam cargos na cúpula da Valec
    No início do mês, a Polícia Federal prendeu o ex-presidente da Valec José Francisco das Neves, o Juquinha, acusado de enriquecimento ilícito. Segundo os autos do inquérito da Operação Trem Pagador, ele teria comandado um esquema que desviou mais de R$ 100 milhões de obras da Ferrovia Norte-Sul, a mais extensa via férrea do País. ISTOÉ revela agora que o rombo provocado pelo esquema de Juquinha, que comandou a estatal de ferrovias por oito anos, pode chegar à escandalosa cifra de R$ 1 bilhão, dinheiro que teria abastecido não só as contas pessoais do ex-presidente, familiares e ex-integrantes da cúpula da Valec, mas também o caixa de partidos como PR e PMDB. A estimativa é da própria PF, com base numa série de investigações em andamento. Só na Delegacia de Crimes Financeiros da Polícia Federal em Goiás foram abertos sete diferentes inquéritos que abarcam os quase 4,5 mil quilômetros de extensão da ferrovia. Ao longo da Norte-Sul, que já consumiu R$ 8 bilhões, correm suspeitas de superfaturamento em materiais, como trilhos e dormentes, nas ações de terraplanagem, escavações e aterros. A PF encontrou ainda indícios de conluio entre empreiteiras, direcionamento de licitações e subcontratação de empresas ligadas a políticos. As investigações, que tiveram origem em fiscalizações do TCU, da CGU e denúncias do Ministério Público, estão longe de terminar.

    ResponderExcluir
  15. As investigações indicam que só no trecho entre Palmas (TO) e Anápolis (GO), justamente o que ajudou a enriquecer Juquinha e sua família, foram desviados mais de R$ 400 milhões. Laudos técnicos que compõem os inquéritos mostram que a estrada de ferro consumiu todo o orçamento previsto nos contratos com as construtoras Andrade Gutierrez, SPA Engenharia, Constram, Queiroz Galvão e Camargo Corrêa. A Valec de Juquinha autorizou aditivos que atingiram o limite legal de 25% e mesmo assim a obra chegou ao fim infestada de problemas estruturais, como a falta de proteção vegetal de taludes e canais de drenagem superficial. O resultado é a erosão de áreas que estão provocando a desestabilização dos trilhos, inviabilizando o uso da ferrovia. Não foram construídos oito pátios intermodais que estavam previstos em contrato. Isso significa que, mesmo os trens sendo liberados para transitar na estrada de ferro, eles simplesmente não têm onde ser carregados e descarregados.

    As construtoras reclamam que a obra ali consumiu mais que o previsto, por conta de desvios e da existência de aterros moles, que acabam consumindo mais horas de trabalho das máquinas e do orçamento. Daí, segundo a PF, chega-se a outro problema: não há medição confiável, os métodos utilizados são os mesmos de 40 anos atrás. Essa falha foi explorada não só pelos empreiteiros, mas pela própria Valec, segundo a PF. O escamoteamento de custos, de acordo com os relatórios de investigação obtidos por ISTOÉ, era processado em Brasília, no 20º andar do edifício-sede da estatal, e se estendia ao campo de trabalho. Laudos da Perícia Criminal indicam sobrepreço tanto no orçamento de referência da estatal como nas propostas das empreiteiras. A análise de centenas de planilhas de preços feita pelos peritos apontam uma variação entre 6,5% e 48% de sobrepreço nos orçamentos.

    ResponderExcluir
  16. O TCU agiu em alguns casos, como nas obras de Aguiarnópolis (TO) e Anápolis-Uruaçu (GO). Em ambos, determinou-se a suspensão cautelar de 10% do valor dos contratos, muito pouco, considerando o volume de recursos utilizados. O tribunal instaurou tomadas de contas especiais em contratos como o da SPA Engenharia, que se recusou a seguir as determinações de repactuação do orçamento. Um relatório interno da consultoria jurídica da Valec, obtido por ISTOÉ, mostra que só em dois contratos os fiscais encontraram sobrepreços de R$ 42 milhões e R$ 40 milhões, respectivamente. Desde o início da obra, a Valec tem comprado dormentes, fabricados pelas próprias empreiteiras, a valores 40% superiores ao de outros fornecedores. Esses dados, além de abastecerem os inquéritos da PF, levaram o atual presidente da Valec, José Eduardo Castello Branco, a criar uma força-tarefa para melhorar a fiscalização das obras da Norte-Sul e passar um pente fino nas obras em andamento. Talvez por isso, desde que assumiu no lugar de Juquinha no ano passado, Castello Branco tem sofrido pressões de partidos e empresários para deixar o cargo.

    ResponderExcluir
  17. Deputado vê em empresa ligada ao grupo Sarney elo Cachoeira-Juquinha
    João Magalhães (PMDB-MG) pede quebra de sigilo bancário da empreiteira EIT; dona de contratos milionários na ferrovia Norte-Sul, empresa era associada da Delta em diversas obras; em 2008, a EIT figurou no centro da Operação Boi Barrica, articulada com Fernando Sarney (à dir.); parlamentar vê elo de ligação entre os esquemas de desvio de verbas públicas

    Brasil 247 – Pode ter surgido o elo de ligação entre os dois mais rentáveis esquemas de corrupção e uso da máquina pública que se têm notícia nos últimos tempos no Brasil. O deputado João Magallhães (PMDB-MG) apresentou nesta quinta-feira 18 requerimento pela quebra dos sigilos telefônico, fiscal e eletrônico da empreiteira Empresa Industrial Técnica S.A., a EIT. A companhia é dona de contratos milionários nas obras de construção da ferrovia Norte-Sul, contratada pela Valec.

    Destas obras, o ex-presidente da Valec João Francisco das Neves, o Juquinha, teria desviado mais de R$ 100 milhões, segundo investigações da Polícia Federal. A EIT tem diversas associações com a Delta Engenharia, a empreiteira que aparece nas investigações da Operação Monte Carlo, que apura a existência de uma organização criminosa liderada pelo contraventor Carlinhos Cachoeira. O deputado Magalhães suspeita que possa haver comunicação entre eventuais esquemas ilegais em torno da arrecadação da EIT e da Delta.

    ResponderExcluir
  18. Pedido de deputado do PMDB envolve Fernando Sarney

    Publicado em 20 de julho de 2012 por johncutrim
    Deputado João Magalhães (PMDB-MG) pede quebra de sigilo bancário da construtora EIT, associada da Delta e envolvida com Fernando Sarney

    O deputado federal João Magalhães apresentou nesta quinta-feira (19), requerimento pela quebra dos sigilos telefônico, fiscal e eletrônico da empreiteira EIT-Empresa Industrial Técnica S.A. A companhia é dona de contratos milionários nas obras de construção da ferrovia Norte-Sul, contratada pela Valec. Em 2008 a EIT figurou no centro da Operação Boi Barrica, articulada com Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney. Para parlamentares surgiu a ligação entre os dois mais rentáveis esquemas de corrupção e uso da máquina pública que se têm notícia nos últimos tempos no Brasil.



    Destas obras, o ex-presidente da Valec João Francisco das Neves, o Juquinha, teria desviado mais de R$ 100 milhões, segundo investigações da Polícia Federal. A EIT tem diversas associações com a Delta Engenharia, a empreiteira que aparece nas investigações da Operação Monte Carlo, que apura a existência de uma organização criminosa liderada pelo contraventor Carlinhos Cachoeira. O deputado Magalhães suspeita que possa haver comunicação entre eventuais esquemas ilegais em torno da arrecadação da EIT e da Delta.

    Caso o requerimento de quebra de sigilo seja aceito, não será a primeira vez que a EIT se envolve em problemas. Em 2008, a empresa figurou no centro da Operação Boi Barrica da PF como tendo praticado “irregularidades múltiplas” na execução de obras da ferrovia Norte-Sul. O deputado Magalhães também estuda requerer a quebra de sigilos da empreiteira Constran, do empresário Ricardo Pessoa. Auditoria do TCU descobriu que EIT se qualificou para tocar a obra de substituição da tubulação com documentação irregular.

    ResponderExcluir
  19. Nono e sirino mais uma vez provaram que estão juntos desfazado ate quando.

    ResponderExcluir
  20. ERMESON.? acredito que nÃO deve ser um dos sobrinhos do nono , pois eles sao tao covardes que omitem seus nomes se o senhor fernando mudou e prova que DEUS mudas as pessoas. isto e cristianismo, mudanças de vida e se Deus quizer santa ines vai mudar com sirini PREFEITO.

    ResponderExcluir

Todos os comentários postados no Notas do Daniel Aguiar passarão por moderadores. O conteúdo dos comentários é de responsabilidade do autor e não representa, necessariamente, a nossa linha editorial.

 

Fale com o blogueiro

- Daniel Aguiar -
WhatsApp: (98) 9 8256 6682
Email: danielaguiarpereira@gmail.com

O que você procura?

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

WhatsApp do 7º BPM/Pindaré

WhatsApp do 7º BPM/Pindaré

OPORTUNIDADES

Tags